Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

quarta-feira, dezembro 03, 2008

O BEIJO E A FLOR (Ainda a fauna... e a flora.)






I


O Beija-flor
beija a flor
inteira e não-conotativa.
Beija a realidade, flor sem artifícios.
Beija, o Beija-flor,
o cerne mesmo da Flor.


II

( ...era o meu intento envasar o aroma
dessa despetalada Flor, numa redoma).




III


A Flor e esse cativo Beija-flor
(fabrico-os dessa matéria plástica e furta-cor)
A flor, a derradeira e inculta.

A Flor.



(
...e em suas pét’las
errático,
um beija-flor,
flâneur vibrátil,
floreteia,
oral e erétil,
à flor,
à ineffabile e bela flor


do Lácio
)

***


Fonte da img.:


*****************

Pós-escrito:
em tempo, dedico este poemeto à amiga,
blogueira com nome de flor,
que, pelo que me parece, adora os colibris.
Também gosto deles porque se criam livres e soltos.




*******************************************************
Postar um comentário