Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

sábado, dezembro 13, 2008

Mátria Nº 2, ou Dionisius Portugalliae Rex




















É Kujawski, quem afirma, in Fernando Pessoa, o Outro, que "o dizer português é sempre vizinho da efusão lírica, pronto a vibrar em toda a escala de íntimas lamentações e exultações, de secretos cuidados e enternecimentos próprios às fundas confidências. Daí as qualidades da prosódia da língua portuguesa -- alongada e ondulante; ondulações que se perdem ao longe (...)"
Regressemos a esse longínquo pretérito, acompanhando um dançar dionisíaco, através do léxico arcaico do cronista-narrador Fernão Lopes, que transcrevi da obra citada acima, p. 25. Deitem os vossos olhos sobre esses vetustos vocábulos, soprem-lhes os fonemas e deixem emergir do inconsciente, os albores do efusivo lirismo dessa Língua Portuguesa:

Viinha elRei em batees Dalmada pera Lixboa, e saiam-no a reçeber os cidadãaos e todollos dos mesteres com danças e trebelhos, segumdo estomçe husavom; e el saia dos batees, e metiasse na dança com elles, e assi hia ataa o paaço. Paraae mentes se foi boom sabor: jazia elRei em Lixboa huuma noite na cama, e non lhe viinha sono pera dormir e fez levamtar os moços e quamtos dormiam no paaço, e mandou chamar Joham Mateus, e Lourenço Pallos que trouvesem as trombas de prata, e fez açemder tochas, e meteosse pela villa em damça com os outros; as gentes que dormiam, sahiam aas janelas, veer que festa era aquella, ou porque se fazia; e quando virom daquella guisa elRei tomarom prazer de o ver assi ledo; e amdou elRei assi gram parte da noite, e tornousse ao paaço em damça; e pedio vinho e fruita, e lançouse a dormir.
(Crónica de D. Pedro I, Barcelos - 1932, pp 42-43, apud Fernando Pessoa, o Outro, G. M. Kujawski, pp. 25,26)


**********************************************************************

Ilustração:
Casa de Locos - Goya
(clique na imagem e irá até o site de origem)
**************************************************************************************************
Postar um comentário