Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

quarta-feira, novembro 12, 2008

O Relógio (Cassiano Ricardo)


















Diante de coisa tão doída
conservemo-nos serenos.

Cada minuto de vida
nunca é mais, é sempre menos.

Ser é apenas uma face
do não ser, e não do ser.

Desde o instante em que se nasce
já se começa a morrer.

*******************************************
Nota do Editor:
Ainda sob o influxo da bela Tuba mirum, de Mozart,

fui até 1971, num velho livro de ginasiano,
pra colher essa relíquia e encerrar a série
de textos sobre Tanatos, que, paradoxalmente,

apontam para a Vida ( ou, para Eros) e nos sugerem: carpe diem!

Fonte do txt:
JESUS, RICARDO, ROBERTO, Português Interpretação,
São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2º vol., 5ª Ed., 1971, p. 119.


*************************************************
P.S.:
Em parceria com meu pai, Elias Eurico, musiquei
esse poema do Cassiano Ricardo.

**************************************************

Fonte da img relógios de Dali:
http://forademoda.wordpress.com/2007/04/23/domenico-de-masi-e-o-novo-luxo/dalijpg

***************************************************
Ah, os texto tanatológicos estão nas postagens aqui embaixo e são:
Este, O Relógio, do Cassiano Ricardo; Momento num Café , do Manuel Bandeira; Composição, do Carlos Drummond de Andrade, e, mais modestamente, o meu Recife (miragem cianótica) .
Postar um comentário