Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

segunda-feira, dezembro 08, 2008

Cantiga Esotérica





















Tragam-me alfaias
Que vem chegando o alvor!
E pandeirinhos
Que vem chegando o alvor!

Deixem que as aves
Revoem, contentes
E dancem, nuvens,
nos céus de seu ventre.

Que invadam-me a tenda
os livres pirilampos
incenso, oferendas,
e os odores do campo.

Aviem-se vestes e víveres!
Pomos dessa terra úbere!

Tragam-me cores
Que a festa é pagã.
Tragam-me amores
Que a alma é louçã.

Tragam-me a flora...
Não! Tragam-me o alvor!
E em seus entornos
tragam-me adornos:

Luzes do Lácio
E a alvissareira Flor.


**********************

Dauri, Jacinta e Mai, será que ecoam,
junguianamente, em mim,
essas misteriosas canções? rsrsrs



Fonte da imagem:
http://tbn3.google.com/images?q=tbn:8dXLU76B08dWwM:http://www.dancealmha.com/images/gerome.jpg
Postar um comentário