Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

sexta-feira, março 04, 2011

TEMPOS DO APOIS FUM (marcha-de-bloco)

Um bonde na Praça da Várzea




Dizem que nas ruas lá da Torre
havia samambaias verdes e um rio de águas limpas,

mangueiras nos quintais;   
Que os chorões, voltando da noitada,
dedilhavam em serenata, bandolins e banjos...

Que era um tempo dos trolleys urbanos,
velhas maxambombas, bondes,
casas suburbanas com
cadeiras na calçada;

Tempo das batalhas de confetes,
ternos brancos, cravos, leques,
foliões no corso...
Arlequins,
Pierrots,
Bobos, Palhaços, Bufões, Dominós:

Tempos do Apois Fum.


Eurico,
(ainda sob a inspiração dos blocos líricos...)



Fonte da imagem:
http://cafehistoria.ning.com/photo/recife-pe-bonde-eletrico-1924?context=latest
Postar um comentário