Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

segunda-feira, dezembro 27, 2010

MACAÍBA (nordeste: o vôo e o sonho)




















a Miguel Nicolelis...


O sonho nasce da possibilidade do sonho.
No núcleo do sonho está uma poíesis
e a vida-por-fazer.
É indispensável sonhar para estar vivo.

Se não queres ser um cádaver-adiado-que-procria, sonha;
Sonha com novas urdiduras...
mesmo que os nodos estejam sempre mais além.

Quem sonhava antes, plantava o que agora vemos.
E falo de plantas concretas:
Feijão, petróleo, escolas...

Eis um momento propício ao sonho.

Uns sonham com a Pátria do Evangelho.
Outros com a Nova Jerusalém.
Muitos aguardam um Armagedon.

Os brasileiros sonham com o óleo em mar abissal
e em dar asas aos meninos do nordeste.

Inaugura-se um sonho em Macaíba,
vilarejo humilde e sonhador.
Vejo-os voar.
É lícito voar no país dos santos,
de Santos Dumont.
É absolutamente previsível o sonho na pátria de Paulo Freire.

É indispensável sonhar para estar vivo.
Sonhemos como Nicolelis... 




Fonte da Imagem:
Escola Alfredo Monteverde
(idealizada e mantida pelo sonho de Nicolelis)
Postar um comentário