Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

sexta-feira, abril 10, 2009

Litania da Hora Nona


















“Que cosas nos decía! Eran cosas, no palabras.”
.........................(Unamuno – “San Miguel Bueno, Martir”)



Sexta-feira.
Uma profunda melancolia se abate
sobre os povos do ocaso.
Miserere nobis.

Entre eles vejo a silhueta avoenga e terrunha
de Dom Miguel de Unamuno.
Os ombros ainda esfoliados
sob uma agostiniana cruz:
Mihi quaestio factus sum.


Nas ruazinhas estreitas das favelas urbanas
Ou ao longo das estradas campesinas
Recitam-se sussurradas preces intra-históricas...
O mote é das vizinhanças do mito.
As coisas estão entrelaçadas pelas palavras:
Ocidente
..............Occidere
..........................Caedere
......................................Cadere

...............................................Cai... a tarde.

Sexta-feira.
Os povos do crepúsculo estão em agonia.

É a hora nona.
Kyrie eleison!

Morre o Sol...

************************************


Postar um comentário