Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

quinta-feira, julho 02, 2009

A Escada Helicoidal (impressões do Prelúdio nº 7 de Debussy)





Itinerário de leitura da composição:
1 Embriagar-se na música
2 O ritmo e a melodia são idéias
3 Oscilações de calma e de euforia
.




Subir correndo a escada helicoidal
de um antigo palacete
E perder-se
entre quinquilharias de antiquário
A ler coisas guardadas, bolorentas
As coisas são legíveis como as nuvens.
Já as lestes?
Um sótão é um glossário:
Toucadores;
roixas umbrelas, quase pretas;
biscuits;
Oratórios, imagens sob véus;
Castiçais
e carrilhões cansados.

Bater o pó de um velho cravo temperado.
Correr dedos meninos, no teclado.
As idéias guardam melodia e ritmo.
Oscilam entre a calma e a euforia.
(Suasória, a embriaguez da música...)

Até se abrir uma janela
Uma janela da alma
E por ela
E só por ela
Entrar o sol.
A fresta é a lucidez,
o raio iridescente,
o claro entendimento.

Quanta luz há nesse momento!

Ao ler as coisas mudas
Ao ler um antigo mundo.
Ora me inunda essa amplidão
Viver é entender pelos sentidos
Palpar liricamente o ser das coisas.
E a vida é o próprio órgão da compreensão.

Deslizo vertiginosamente corrimão
abaixo, pela vetusta escada helicoidal
Que gira dentro em mim,
E diz-me o suvenir das coisas
pretéritas,imperfeitas, desbotadas;
A mim que, tão presente,
Sou criança .




Em BG: Prelúdio n.º 7 - Debussy



Fonte da imagem:Um museu em Roma
@@@@@@@@@@@@@@@@@
Postar um comentário