Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

sábado, maio 30, 2009

Anima (uma presença não-dita)




O inefável
traz colares e pulseiras
e salta
desde um mundo elemental.

O inefável
traz a pele tatuada
e torna
público algum mistério essencial.

O inefável
cinge a fronte com segredos
e sob os pés
ostenta o círc'lo armorial

O inefável
não conhece os altos muros.
Desloca as coisas, abre portas, faz futuro.

O inefável
é essa anímica presença
que se respira
e ateia o fogo original.
***

“...O mito talvez seja o constructo psicológico e cultural mais importante de nosso tempo. (...) Em uma cultura comprometida com o mundo da matéria, o acesso ao mundo invisível – que o mito torna possível junto com seus dois principais instrumentos, metáfora e símbolo – nunca foi tão crucial, para permitir algum equilíbrio do espírito.” James Hollis

A propósito, já que a prosa tenta invadir o Eu-lírico, gerando a indesejável interpretação do autor sobre o poema, leiam algo que anda me fazendo a cabeça:

A Alma Ancestral do Brasil

******************************


Postar um comentário