Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

sexta-feira, setembro 10, 2010

O Gato de Schrödinger























Experimento mental:

1 imagine-se um gato com as quatro
patas jogadas ao alto
do alto de um prédio,
bem alto...

2 espera-se, da queda livre
que dos assustados átomos
do arrepiado bichano, decerto
saltem partículas, diga-se, fótons,
mas, o fato

3 é que do susto cai o gato com as quatro
patas ondulatórias, coitado,
no chão incerto de um pátio.


Conclusão quântica:

o gato pode (ou não)
estar vivo ou morto
ou então
semimorto
semivivo
ou morto e vivo, ao mesmo tempo,
pela superposição de eventos.
Essa é o paradoxo
da indeterminação.
Diz que o observador
é quem decide a questão
ao observar o gato
altera a situação.
Gato vivo/gato morto.
Qual é a tua opção?


Conclusão lírica:

Será a matéria feita da poesia mais singela?
Saltita entre onda e fótons,
e ninguém sabe o que é ela...
Ah, matéria mais esquisita!
(parece que é espiritista)
Ah, matéria mais bonita!
que tanta beleza, quanta:
quanto mais salta mais me espanta!
Como eu-lírico, observo,
e essa ciência me encanta.
Haverá algo mais lúdico
do que a física quântica?


Fonte da imagem:
Quadro de Norberto Conti

Sobre Schrödinger:
Experiência Quântica

Notícias sobre Poesia e Cibertexto:
Poesia Experimental
Postar um comentário