Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

quarta-feira, agosto 25, 2010

Great Western (evocações de um Recife Antigo, Nº 3)























I

Nada mais poético do que a ciência,
quando perscruta a realidade com seus instrumentos falíveis.

Decerto um agrimensor
nessa província de muitas línguas,
fora flanêur nas vielas, com uma sombrinha e uma luneta.
Era o tempo de deitar dormentes,
e sonhar trilhos urbanos...

Nada mais poético do que abrir trilhas ao trolley
:
Os engenheiros formaram um team de football.
No céu azulado do Derby,
via-se a bola cruzada e o dirigível gigante.
Os pebolistas descansavam sob um certo sapotizeiro.

***
II

Oiço vozes.
O ar atravessa os gradis de ferro da ponte da Boa-Vista.
O vento sopra fonemas de outras línguas.
Oiço, creiam-me, oiço alguém dar as senhas aos maquinistas.
Oiço frases em inglês britânico.

Vocês não ouvem?

Pois, vos digo, que a ciência não é menos poética do que a poesia.
E que, se não topamos com Hamlet nas ruas,
tampouco tropeçamos com teoremas imaginários.

Oiço vozes, sim:
Is the ghost train really haunted?
E re-in/vento essas pitagóricas fantasmagorias.






Fonte da imagem:
Bonde do Derby, na Pça do Diário - Recife-PE
http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1112501
Postar um comentário