Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

quinta-feira, outubro 04, 2012

ESTUDO Nº 2 (rabiscos em chávena chinesa)


     
  *
 *
*
*
*
*
*
*
*
*  *
*  *  *
*  *  *  *
 *...sem a teia, *
uma aranha não urde
* * a realidade. A teia * *
* * é o modo com que funde * *
a perplexidade do que é labirinto na vida,
 * * * * ao nexo do entorno, ao chão * * *
  * * * * * * *  da (sua) finalidade... * * * * * *
*
*
*
*
*
**
* * *
* * * *
 * * * Chã * * *
de artifícios, de fios
 * entrelaçados e frágeis; *
terreno instável, é verdade.
  * * * * * * Mas, * * * * * *
* * *um apodítico chão. * * *
*
*
*
*
 * *
* * *

* * E, * *
 * * * * como tal, * * * *
 faz-se uma certeza possível
 * ao oscilar sus/tentáculos, * 
nos quais a aranha acon/tece,
* * * * vacila, tece, vacila, * * * *
 * * * * * urdindo uma trama * * * * *
entre o acaso, a sina e a necessidade...



*
*
***
Ao fundo, uma música tibetana:

 

TRABALHO - E. B. Brito
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
****
Fonte da imagem:

Postar um comentário