Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

quarta-feira, outubro 03, 2012

ÁPTERO (oitava ao rés do chão)



Queda sobre Espinhos - E. B. Brito


























Quebradas, as asas que não temos,
dóem muito mais, quando não vemos
onde é que dói a dor, ou não sabemos...


E que dizer do homem, ser terreno,
cria da terra, errante, o mais pequeno,
a querer avoar, bicho sem asa,
e, afinal, rastejar, dentro de casa,

tateando, a perseguir, em si,
seu proprium, em chã bem rasa?

***************************************



Eurico,

(num improviso para a amiga Mai,
ou seja, uma singela modinha, inspirada em Dante Alighieri,
na qual também ecoa uma secular oitava camoneana).
15/02/09

P.S.:

Não resisti à tentação e lhes trouxe a tal oitava de Camões,
que dedico ao áptero que existe dentro de cada um de nós:

"Onde pode acolher-se um fraco humano,
Onde terá segura a curta vida,
Que não se arme e se indigne o Céu sereno
Contra um bicho da terra tão pequeno?"
(Luís de Camões)


**************************************
Fonte da img.:
AbARCA
Postar um comentário