Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

sábado, dezembro 31, 2011

SONHOS - Kurosawa (trechos) por uma est/ética não-anquilosante




Não penses.
Que raio de mania essa de estares sempre a querer pensar.
Pensar é trocar uma flor por um silogismo,
um vivo por um morto.
Pensar é não ver.
Olha apenas, vê. Está um dia enorme de sol.
Talvez que de noite, acabou-se,
como diz o filósofo da ave de Minerva.
Mas não agora.
Há alegria bastante para se não pensar,
que é coisa sempre triste.
Olha, escuta.
Nas passagens de nível,
havia um aviso de «pare, escute, olhe»
com vistas ao atropelo dos comboios.
É o aviso que devia haver nestes dias magníficos de sol.
Olha a luz.
Escuta a alegria dos pássaros.
Não penses...

Vergílio Ferreira
Postar um comentário