Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

quarta-feira, setembro 09, 2009

Tocata e fuga (à vida que passa)






















imagem google



Trago por dentro a força do toró
que arroja esse vento nordeste
Sinto no peito os rasgos, os riscos
que no céu fazem os coriscos...

Estou a ribombar no solo agreste,
na desapiedada percussão dos pingos
despedaçando telhas e sapés
Rasgando zincos...

Estou tempestade bruta
E abrupta;
Violento aguaceiro
que mergulha em meu mundar no mundo,
Sinfonia aórgica
Melodia dodecafônica, sem opus do humano;
arrostando isso que passa, e eu com ela.

Estou lutando sob a chuvarada,
nessa agreste des/harmonia,
em que as partes e o todo
se engastam e se desgastam,antagônicas:
Luta sinfônica,
largos compassos, descompassos
desconexos adágios;
golpes no ar, de maestro ou de ágil
pugilista.

No entanto, soa um gongo secular,
e a minha chuva faz silêncio,
e a força cessa, devagar.
Profundo e aquático silêncio...
Pausa.
Dorida pausa.
E, nesse momento,
caem-me, silentes,
as gotas, vindas de um céu cinzento;
com a música grave de garoa calma,
a deslizar pelos declives d’alma,
qual melancólica canção depois da enchente...
Cessa a enxurrada,
mas, a escorrer das calhas invisíveis
de u'a moenda centenária,
Ouço esvair-se líquida essa ária.
Eis minha fuga, pela linha d'água...




@@@@@@@@@@@@@@@@@
Postar um comentário