Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

sábado, setembro 26, 2009

Braille (ou, São Tomé, das Letras-nº 2)









I
Quem
Munido de compassos lassos,
E de indeterminadas réguas,
Aferirá a roda dos inumeráveis mundos,
Em sua teleológica órbita?
Quem medirá das estrelas os passos,
E as léguas
De luz?
Quem há de mensurar a Vida,
Isso invisível,
Que flui?

II
Hoje amanheço igual ao excremento,
Que flutua num mar sem lógica;
Produto escatológico do tempo,
Papel qualquer, que a ventania joga...
Isso que sou, pensa,
E busca o nexo nessa imensidão.
Mas só percebe esse lugar restrito,
Até onde alcança a minha mão.
Minha vista é curta,
Meus olhos baços,
E exploro o espaço com uma ótica de ilusão.
Minha fé é táctil.
Como apalpar as coisas com a Razão?
Como guardar as crenças e as certezas,
Crendo que há solo depois de tocar no chão?

III
Aproxima-te, Amigo, não Te ouço.
Chega mais perto, ofuscado, não Te vejo...
Fala à minh’alma,
A esses meus ouvidos moucos.
Isso. Bem perto do meu peito.
Mais um pouco.
Deixa que Te toque o flanco (e não estou louco!).
É que só alcanço Deus: verdade, estrada, vida,
Lendo no Braille das Tuas feridas.



@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

Fonte da imagem:
Século XXI
Postar um comentário