Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

quarta-feira, setembro 02, 2009

Scriptorium (ou PNL à Schopenhauer)




















Agora estou duplo:
Quem eu era antes, está em epoquê,
Posto que não suportava as dores da vida.
Esse outro eu, que ora está no comando,
nem parece mais comigo.
Nunca fui tão apo(r)ético.
Os versos me saem feito notas de escritório.
Ponho-me excessivamente adulto.
Pareço mais um programador neurolingüistico
a controlar essa impertinente imaginação das dores futuras.

Administrador de mim.
Ando a administrar cada segundo
da vida biológica,
com microscópios nesses olhos, embora pressurosos.

Executivo de mim mesmo.
Planejo a vida biográfica
como quem grafa coordenadas de dois eixos:

Um deles é a abscissa do tempo...
Tudo agora é pra ontem.
Estou urgente!

O outro é a fuga schopenhaueriana da dor.
Essa dor que, graças aos céus,
está se restringindo a um improvável amanhã...




Fonte da imagem:
Scriptorium
Foto - Mikel Arrizabalaga
Postar um comentário