Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

domingo, setembro 06, 2009

Poema da Relatividade Geral





















De que adianta eu ser eu
Em relação a mim mesmo?
Quero ser eu pras pessoas
- um referencial externo-
Quero ser eu nas pessoas
Relatividade geral.

Quero evolver na poesia
Einsteiniana poesia-moderna
Fra/terna
Quadridimensional.

Não sou espaço
Nem tempo
Espaço e tempo eu invento
No meu ser intemporal

Quantos fótons emitia
No espaço das entrelinhas
Um Castro Alves astral?

Também quantuns de energia
Saem de mim, melodia
Ondulatória, indefinida, orbital
E a mim me espalham nas ruas
Na plenitude dos outros...
Inteiro o ser que não sei

De que adianta eu ser eu,
Com meus sentidos falíveis
A perceber ilusões?
Eu não vou mais ao cinema –
nem ontem, nem já, nem quando.
Eu vou ser eu nas pessoas
Doar-me toda poesia, acelerar-me na luz.
Este é o segredo do Sol!




Eurico
17junho1989


Poema apresentado em Seminário sobre Castro Alves
Local: Faculdade de Filosofia do Recife
Disciplina: Introdução aos Estudos Literários
Titular: Profa. Inês Fornari
Equipe: Aldenice, Celina, Eurico, Marcus, Monica e Umbelino























Para ver os créditos dos sítios de origem, clique nas imagens.
Postar um comentário