Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

quarta-feira, julho 14, 2010

Bosquejos






















Porque agora vemos por espelho, em enigma,
mas então veremos face a face;
agora conheço em parte,
mas então conhecerei como também sou conhecido.
...............................................................1 Cor 13:12




Ninguém, nunca jamais, viu qualquer coisa inteira.
As coisas são metades, como, à noite, a lua.
Não é possível apreender totalidade alguma...

Senti isso, em certo dia, ao me embrenhar num bosque.
Depois de um caminhar inútil, por clareiras,
Restou-me então, do bosque,
essa impressão de coisa impenetrável:

Algumas árvores mais próximas
ou em perspectiva,
Até onde a vista humana pode ir. E só.

E descobri então que
Os bosques nos escapam sempre.
Os bosques que pensamos ver
são apenas bosquejos, alusões de uma
mata, selva ideal,
jamais vista em sua inteireza.

Um bosque é abstração de manchas,
Coisa sempre in fieri.
Um bosque é fugidia sensação de luz e cor.
A mesma que se tem ao olhar um Manet:
Alusões a vigorosas pinceladas.
Mas sempre alusões.
Assim, um bosque é quase nada.
Metade dele nunca é.

É a mesma ilusão (de ótica) de quem,
no espelho
encontra a face do mistério,
ou seja, a parte dele que se pode ver.
E o que é essa parte que não se pode ver?
Eis a questão!

O ser do bosque é assim,
Face no espelho;
Aquela que se pode ver.
No entanto, o bosque, mancha esverdeada,
É ainda mais que nós.
Somos a outra metade do nada,
Escorços de uma face invisível e azulada.
Eternos quase-nós.


@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@


Fonte imagem:
Almoço na relva - Édouard Manet


@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

Concluo essa série de impressões , com a citação de Giulio Carlo Argan, que encontrei em O Pensador Selvagem (com minhas sinceras desculpas pelas imperfeições dos trabalhos):


"(...)Se o artista se propõe a exprimir a sensação em estado puro, antes de ser elaborada e corrigida pelo intelecto, é porque ele julga que a sensação é uma experiência autêntica, e a noção intelectual uma experiência não-autêntica, viciada por preconceitos ou convenções. A sensação, portanto, não é um dado, mas um estado da consciência; ademais, a consciência não se realiza na experiência vivida e refletida, e sim na experiência que se vive. Identifica-se, pois, com a própria existência."
.............................................................Argan



Nota:
a reedição de Bosquejos se deu pra comemorar o novo modelo do blogue.
Esse bosque de bambus é de um lirismo profundo e reflexivo...
Postar um comentário