Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

domingo, janeiro 25, 2009

Poupem as crianças...





















Que sobre as crianças do mundo
os adultos não lancem mísseis,
tele/guiados por suas crenças ridículas,
estúpidas...


Que se matem entre si, os terroristas sem Estado
e os terroristas de Estado.
Matem-se, ora essa!
Mas poupem as escolas, os parques, as florestas...
Poupem as indefesas crianças, os animais...

Não precisam abdicar de sua insana guerra.
Não. Podem morrer e matar
até não sobrar nenhum pra reivindicar a terra.
Mas deixem em paz as crianças,
sejam judias, palestinas, vietnamitas, afegãs.


Não joguem bombas sobre suas bonecas e bicicletas,
sobre a sua lúdica inocência.

Matem-se entre si, senhores, defendendo cada um sua cova rasa
e seu fundamentalismo sagrado e antivital.
Mas não arrastem pra essa loucura,
as pequeninas vidas que perecem sem causa.


***************************************

Imagens:
O poeta-tio-coruja com a sobrinha Allana, durante passeio no Horto-florestal Dois Irmãos,
Recife - PE. Que farra!!!





Postar um comentário