Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

quinta-feira, março 19, 2009

Cais da Lingüeta (autopsicografia)



















Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz.
Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso.

Mt 6:22,23



Revejo, à flor das águas, em rota dolorosa e fronteiriça,
Naufrágios
E os destroços submersos de mim.

Braçadas, diz-me a Razão.
Braçadas!
O mar é alto.
E a alma é apenas perspectiva.

Volto os olhos, e contemplo o precipício.
Pélago.
Ó Tenebroso Mar que jaz em mim!


Ide, frágil nau!

(Id):
Homem sem bússola.
Um escaler à deriva e sem chinelos ao pé do leito.


Não há pessoa e o rio que vejo
Também não é o Tejo.

Mas o que resta aqui de tudo o que já fui:
Embarcações/embarcadiços;
Lares/velas triangulares;
Lábios/astrolábios;
A goga/a sinagoga.

O antigo Cais da Lingüeta.

Tudo me faz pejo.
E o rio que vejo, deveras, não é o Tejo.




Postar um comentário