Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

terça-feira, fevereiro 05, 2013

LA URSA (notas para uma analítica da folia 6)

URSO BRANCO
E. B. Brito

Às vezes surpreende-me essa memória sensível,
Quase palpável, das coisas
:
Eu menino, olhos arregalados,
Medo, quase pavor,
E aquele bicho dançando,
no portão da velha casa.
Um ritmado zabumba
um fole de 8 baixos,
e as síncopes de um triângulo.
Sua voz roufenha cantava
:
"A La Ursa quer dinheiro
se num der é pirangueiro."

Anos depois, 
(quase palpo com as retinas)
Os retalhos multicores, 
nas mãos da minha avózinha,
mil retalhos costurados,
num macacão de sisal.

E outra vez um zabumba
um fole de 8 baixos,
e as síncopes de um triângulo,
um acutíssimo triângulo.

A molecada no grito,
(e eu, já crescido, no meio)
:
"A La Ursa quer dinheiro
E se num der, é pirangueiro,
É pirangueiro"...


La Ursa

Fonte da imagem:
http://dancasdobrasil.blogspot.com.br/2010/05/la-ursa.html


Nota do blogueiro:
As origens de um folião rsrsrs
Postar um comentário