Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

terça-feira, julho 22, 2008

Ave, Poesia! Ave, Poeta! Ave, Dora Vilela!





















E eu que ando me esfalfando a buscar nos mitemas, nos arquétipos e outras imagens do meu pobre inconsciente, o embasamento da minha parca e bissexta poesia, subitamente, recebo esse verdadeiro encontro com o numinoso, no blogue da Dora Vilela. Não resisti e trouxe comigo, para quem quiser alimento para a alma, nesse mundo tão carente de beleza. Ave, Poeta! Ave, Poesia! Ave, Dora Vilela!


Exegese


O que não existe significa a entrelinha.

E um mundo cabe aí, de mistério e crença.

O que não cabe na palavra é cabível no segredo particular.

Ninguém sabe a face interna do meu rosto que sorri,

nem mesmo eu.

Simbolizamos a vida na ação aleatória do tempo a se esvair.

Meu testemunho comunica apenas que existo na pulsão dos momentos.

Não há significado para este signo que se desenha na palavra VIDA.

autora:

Dora Vilela

Fonte do texto e da imagem:

http://pretensoscoloquios.zip.net/

Postar um comentário