Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

segunda-feira, novembro 19, 2007

PACIFISMO TUPINIQUIM



Há uma inteligência, tão pedante quanto autodestrutiva, que insiste em poluir a água e o ar do planeta Terra, em nome do crescimento industrial. Em nome dessa mesma ideologia do progresso suicida, destroem as florestas, eliminam a fauna e a flora, e, para poder continuar nutrindo a avidez de riqueza e poder, atacam os países que possuem jazidas de combustível fóssil, contrariando as recomendações da ONU, e dos países mais sensatos.

Justificando-se nessa falaciosa e maligna assertiva, tem aparecido na TV, e, em horário nobre, pago às expensas dos cidadãos brasileiros, um político, de caráter duvidoso, mas reverenciado como bom orador, a defender certas posições demagógicas e cínicas . Seria um novo sofista?.

Pois bem: argumenta o famoso orador, que o Brasil, para defender suas necessidades industriais e de consumo, deveria ter ido à guerra com os bolivianos. Chega a usar o exemplo da dupla Bush/Blair, que invadiu o Iraque, para “defender” as jazidas de petróleo, interesse vital dos seus povos na região.
A postura não beligerante do Lula é questionada, pelos sofismas desse abominável político.
E é contra essa argumentação neofascista, que quero realmente me posicionar. Pois, seguindo esse raciocínio "tão perfeito", esse mesmo argumento poderá ser usado contra nós, se, por exemplo, a Amazônia for encarada como algo vital ao First World. E por que não?
Além disso, acabamos de descobrir uma imensa jazida de petróleo no oceano, que pode ser, seguindo a falaciosa peroração daquele nefasto político, um pretexto para um ataque dos belicosos saxões do norte do hemisfério, .
Pois bem:
Todo dia, nós pregamos a paz. Fazemos passeatas, missas, cultos, e outras manifestações pela paz no nosso país e no planeta. Mas foi o Lula, o não-letrado Lula, quem nos deu um exemplo prático e raríssimo, de como um país poderoso em seu continente pode resolver uma ação intempestiva e imatura, como foi a dos cocaleros, nossos vizinhos, com a necessária sabedoria, evitando uma guerra que arrastaria todo o continente, e, quem sabe, todo o mundo, atraindo, para o nosso território, os olhos da máquina de guerra do Xerife do Mundo, o Sr. Bush Filho.
Saber conviver com os povos vizinhos, em paz e harmonia, usando a diplomacia antes, e a pressão econômica, depois, e só se for necessária, será o exemplo de tolerância que o Brasil dará, nesse início de milênio, aos avoengos e ranzinzas europeus e seus belicosos seguidores ianques.

Há muito tempo, espero que se cumpra a profecia do Chico Xavier, de que o Brasil será o “coração do mundo e a pátria do evangelho”. A fé, às vezes, se enfraquece em meu duvidoso e pragmático espírito. Mas esse gesto do mítico Lula, do nordestinado filho da lavadeira, que quase morre afogado em um açude paulista, sem o socorro do próprio genitor; o altruísmo geopolítico do torneiro sem um dedo na mão, e agora alçado a primeiro mandatário do maior país da América Latina; enfim, esse gesto de boa vontade e não violência do Lula me reanima a esperança. Quem sabe um novo milênio de intenções pacifistas e de preservação do planeta esteja sendo esboçado aqui, com nosso jeitinho tupiniquim.

Viva Deus! Pequeno sou eu! Alah hu acbar! Shalom! Axé! Paz e fraternidade!!!

Eurico
19.11.07

Pratique a cortesia no trânsito. A paz começa nas pequenas atitudes.

P. S. : cuidado com os belicosos sofismas do R. Jefferson, pois quem, afinal de contas, irá à frente de batalha, matar e morrer pelas suas idéias fascistas, serão nossos filhos e netos, e não ele et caterva.
Postar um comentário