Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

sexta-feira, maio 25, 2007

Emoção proustiana



Eurico no Alto da Sé - Olinda
ao fundo a Bertioga e o casario mais que centenário


A mesma impressão que eu teria ao ouvir Beatles, Creedence, Renato e seus Blue Caps, ou antigas canções de Elton John, creio que senti ao achar ontem, no orkut, um velho amigo de infância. Veio à lembrança o tempo bom do Ginásio Pernambucano: as peladas na quadra, as descobertas no museu de história natural; tempo de amizade sincera, coisa rara hoje em dia.
Achei o Roberto Portella, um jovem senhor, um ano mais novo do que eu, que insistiu no seu sonho de desenhista, vindo de lá dos idos de 1968/69, quando nos mostrava seus interessantes desenhos em sala de aula. Hoje um imagemaker, webdesigner, sei lá eu, mas tudo dentro da área das artes plásticas por onde ele, decerto, enveredou.
Aquela turma do GP foi das melhores coisas da minha vida. Apesar do pânico que eram as aulas do Cláudio Estelita, que nos obrigou a fazer todos os exercícios da coleção Matemática Moderna, do Marcius Brandão, tínhamos ali muitos predestinados: o Jader, que hoje é médico; Zé Fernandes, físico, se não me engano; o Carlos Alberto, do nosso tempo, que morreu jogando pelo Sport e, o nosso Roberto Portella, que eu tinha certeza que seria da área de arquitetura, designer ou artes plásticas.
Registro aqui minha alegria de ter visto o belo trabalho feito pelo Portella e que está aberto ao público aqui, nessa rede, para deleite dos navegadores.
Acessem, pois:

http://www.robertoportella.com.br


E vejam as obras de arte desse exímio artista-digital, ou imagemaker, como usa dizer.
Parabéns, amigo.

Eurico
26.maio.2007

P.S.: depois dessa data, além do Portella, encontrei o Raul Manhães, médico e professor da UFPE, Ivan e Ivson, os dois irmãos que moravam em Areias, o Jader de Alemão Cysneiros, regente da banda, que, hoje, mora na Europa. Tive notícias do Rudex, mas falta reencontrar o Luiz Carlos de Souza, Caveirinha, o fera em matemática, que está morando em João Pessoa, segundo o Ivan. Ah, sempre vejo o Edvaldo Valentin, advogado, que já me defendeu em causa trabalhista contra o Bandepe. Ganhamos.
As notas triste são o falecimento do Jader Lucena, médico e do Irandé. Que Deus os tenha!
Postar um comentário