Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

sábado, julho 12, 2014

Engenho Velho ( uma loa ao MRP - Arruado)














"Matias de Albuquerque punha sentinelas nas elevações de Olinda, 
para anunciar os mastros inimigos. Mas quem vê as forças que hoje nos invadem?" 
(Osman Lins, in A Rainha dos Cárceres da Grécia) 



Não mais moendas de bronze,
nem chaminés, nem sobrados,
mas inda um povo resiste,
e insiste em ser Arruado.


O tempo é outro, decerto,
a luta é outra, pois não,
mas os que hoje nos invadem
Não têm face, não têm corpo,
se escondem na escuridão.

Mais fácil expulsar batavo,
resistir no Arraial Novo;
a luta era em campo aberto,
e o combate, corpo a corpo.
Hoje estão no anonimato
os inimigos do povo.
Um deles é o mercado,
um outro é o consumismo,
a invasão cultural, o individualismo,
e a alienação geral,
que nega a nossa memória
faz pouco caso da história
que narra o nosso heroísmo.

Não mais moendas de bronze,
nem chaminés, nem sobrados,
mas inda um povo resiste,
e insiste em ser Arruado.

A cana quando moída
em troca dá o açúcar.
Um povo, quando oprimido,
se revolta e sai à luta.

Postar um comentário