Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

quarta-feira, outubro 12, 2011

QUE AS CRIANÇAS CANTEM LIVRES!


Crianças de Gaza olham por buracos em muro.















O tempo passa e atravessa as avenidas

E o fruto cresce, pesa e enverga o velho pé
E o vento forte quebra as telhas e vidraças
E o livro sábio deixa em branco o que não é


Pode não ser essa mulher o que te falta
Pode não ser esse calor o que faz mal
Pode não ser essa gravata o que sufoca
Ou essa falta de dinheiro o que é fatal


Vê como um fogo brando funde um ferro duro
Vê como o asfalto é teu jardim se você crê
Que há um sol nascente avermelhando o céu escuro
Chamando os homens pro seu tempo de viver


E que as crianças cantem livres sobre os muros
E ensinem sonho ao que não soube amar sem dor
E que o passado abra os presentes pro futuro
Que não dormiu e preparou o amanhecer...




Tinha eu 16 anos, quando ouvi essa canção pela primeira vez.
Estávamos em plena ditadura. Taiguara, sem perder a ternura,
já me ensinava que o lirismo pode ser contestador. Ouçam:


Taiguara ao piano - 1973

Postar um comentário