Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

sexta-feira, novembro 27, 2009

MAYA (a ilusão)




Porque agora vemos por espelho, em enigma...
..............................1 Cor 13:12



Observo-me:
tez que desbota,
em azul longínquo;
Ilíquido.
Um caule acúleo
e a dor, raízes submersas.

Abrem-se as pétalas,
as asas,
as existências:
anjo em processo,
buda em devir.

Observo-me:
flor improvável,
realidade azul;
Ilíquida...
A eternidade pende desse instante.

O agora é flor, lotus pulsante.
D'us é o processo.
Eu, devenir...


***

Postar um comentário