Uma Epígrafe



"...Quanto à poesia, parece condenada a dizer apenas aqueles resíduos de paisagem, de memória e de sonho que a indústria cultural ainda não conseguiu manipular para vender."...[Alfredo Bosi, in O Ser e o Tempo da Poesia, p. 133]

terça-feira, outubro 20, 2009

DORA





<


















Fico com a beleza da resposta das crianças:
E a vida?
É bonita e é bonita!
....................Gonzaguinha



Naquele estranho dia
Procurei os meus chinelos sob a cama
E tive a surpresa do abismo:
A cama deslizava pelo espaço
E havia anos-luz entre os chinelos e o meu braço.

Mais estranho ainda foi saber que a mesa do café
Girava junto com as cadeiras,
Junto comigo inteiro.
Meu ego e a xícara
Atravessávamos Peixes, quase adentrando em Aquarius.

Corri até a janela e o Sol me parecia maior do que Sempre.
Numinoso!
Pronunciei essa palavra automaticamente
E senti a água de meu corpo se agitar,
Como se agita a flor d'água ao receber o impacto de uma pedrinha.

Foi mesmo um dia estranho.
Descobri que sou um emaranhado de energia
E que a realidade é um feixe de possibilidades.
Isso até hoje me faz rir (de mim?).
Escolho o riso entre as minhas realidades possíveis.

Creio que eu jamais escolheria entrar naquele trem
Se estivesse no lugar da Dora Orecife.
Falta-me algo mais profundo:
O amor não-sexual, aquele que transcende a dor.
Que vence o amor a si mesmo.
O desapego dos iogues;
Dos mártires hagiológicos.
Eu sei que não entraria naquele trem, como fez a Dora.
Porque me amo extremadamente.
(Como é estranho esse amor que me lança, dia após dia, em direção aos meus chinelos).
E não é esse amor por mim, o que torna a vida uma bela película.

Já o amor de Dora Orecife é solar:
Uma espécie de amor que inunda tudo com reverberações holísticas,
Que se doa até a própria extinção;
Como o amor que faz girar os planetas
E mantê-los em órbitas;
E que os mantém aquecidos por translações inteiras.
O amor que dessaliniza as águas do oceano e as faz chover sobre os continentes.
O amor da fotossíntese.
Da grande síntese.
Pode-se ver esse Amor da minha janela há alguns bilhões de anos.
E ele faz girar vertiginosamente minha alma e essa xícara de café.
Esse Amor me faz sentir que a vida é bela
Mesmo em círculos.
A vida é bela.


Fonte da imagem:


Postar um comentário